Picos(PI), 24 de Janeiro de 2020
POLITICA EM PAUTA

Brasil passou para quarto destino de investimentos no mundo em 2019

Em: 21/01/2020
P40G-IMG-b5a4634f5ef259750c1.jpg
Foto: Ilustração
Com a ajuda do programa de privatização de empresas federais, o Brasil subiu da sexta para a quarta posição entre os principais destinos de investimentos estrangeiros no mundo em 2019. Segundo relatório divulgado ontem (20) pela Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento (Unctad), o Brasil recebeu US$ 75 bilhões em investimentos externos no ano passado, contra US$ 60 bilhões em 2018. Os três primeiros lugares do ranking de destino de investimentos ficaram com os Estados Unidos, com US$ 251 bilhões no ano passado; a China, com US$ 140 bilhões, e Cingapura, com US$ 110 bilhões. Os US$ 75 bilhões que chegaram ao Brasil equivalem a mais da metade dos US$ 119 bilhões que a América do Sul recebeu no ano passado. Segundo o relatório, parte da alta dos investimentos externos no Brasil ocorreu, em parte, por causa do programa de privatizações, que se concentrou na venda de subsidiárias de estatais e de participações acionárias do governo em empresas privadas. (ABr)

Guedes chefia missão do Brasil no Fórum Econômico de Davos, na Suíça

Em: 20/01/2020
P40G-IMG-ac0d840ff3eb5e7b6e4.jpg
Ministro Paulo Guedes (Foto: Divulgação)
Representante do governo brasileiro no Fórum Econômico Mundial, que reúne líderes, chefes de Estado e empresários em Davos, na Suíça, o ministro da Economia, Paulo Guedes, participa hoje (20) à noite (horário local) da abertura do evento. De terça-feira (21) a quinta-feira (23), o ministro falará em painéis e terá encontros com presidentes de multinacionais. Segundo o Ministério da Economia, as apresentações de Guedes se concentrarão em dois aspectos: a redução do déficit fiscal no primeiro ano de governo e o aprofundamento das reformas estruturais que, segundo ele, ajudarão a economia a recuperar-se e acelerará a criação de empregos. O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, não participará da edição deste ano do encontro em Davos. (Com informações do Diário do Poder)

Bolsonaro demite secretário Roberto Alvim que copiou frase nazista

Em: 17/01/2020
P40G-IMG-6732c12490d0b45b117.jpg
Roberto Alvim citou em vídeo frase de ministro nazista de Adolf Hitler (Foto: Reprodução)
O presidente Jair Bolsonaro decidiu demitir nesta sexta-feira o secretário nacional da Cultura, Roberto Alvim, que provocou enorme polêmica ao gravar um vídeo copiando trecho de um discurso de Joseph Goebbels, principal ministro e ideólogo do nazismo. A  fala de Alvim, que divulgava a criação do Prêmio Nacional das Artes, indignou a classe política e foi duramente criticada até por apoiadores do governo Jair Bolsonaro. Também foi o assunto mais comentado nas redes sociais desde a noite de ontem. Mais cedo, em entrevista à Rádio Gaúcha, Roberto Alvim afirmou que o presidente Bolsonaro “entendeu que não houve má intenção”. Ele disse que não sabia que a frase era de autoria do ministro de Adolph Hitler e tentou minimizar o estrago dizendo se tratar de uma “coincidência retórica”. Por fim, argumentou que caíra numa “casca de banana”. (Com informações da Jovem Pan)

Bolsonaro decide encarar poder do lobby nas agências reguladoras

Em: 16/01/2020
P40G-IMG-44ec258cde97408eb8b.jpg
Foto: Reprodução
Ao enfrentar a ameaça de taxação criminosa da energia solar, pela Aneel, e encarar o cartel de distribuidoras/atravessadoras, favorecido pela ANP, o presidente Jair Bolsonaro assumiu a tarefa, que sua equipe econômica considera “difícil”, de enfrentar o poder das “agências reguladoras”. Hoje, quase todas estão aparelhadas pelas empresas, cujo lobby sempre “emplaca” a maioria dos seus diretores. Em vez de prestar obediência às agências, as empresas é que dão as cartas, como ficou patente na ameaça de taxação da energia solar. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder. Agências têm “poder legislativo” mais forte que o Congresso, por isso viraram paraíso de lobistas: resoluções de 5 diretores têm força de lei. Agências favorecem planos de saúde, empresas aéreas, distribuidoras de energia ou de combustíveis etc, sempre em detrimento do cidadão. Há agências reguladoras que viraram paraíso de lobistas que levam minutas de resoluções para multiplicar os lucros das empresas. (Diário do Poder)

Valor da produção agropecuária de 2019 atinge recorde de R$ 630,9 bi

Em: 15/01/2020
P40G-IMG-b69b3158f73dcd1cb45.jpg
Foto: Ilustração
O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) encerrou 2019 com R$ 630,9 bilhões, 2,6% acima do obtido no ano anterior. De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o valor é recorde para a série histórica, iniciada em 1989, superando o VBP de 2017, de R$ 627,1 bilhões. No ano passado, as lavouras geraram um valor de R$ 411,1 bilhões e a pecuária, R$ 219,8 bilhões. Em nota do Departamento de Financiamento e Informação, da Secretaria de Política Agrícola, o Mapa destaca que o ano passado foi marcado pelo crescimento extraordinário do faturamento do milho e o desempenho também excepcional da pecuária, com crescimento real de 9%. Já as lavouras sofreram redução de 0,5%. Os produtos que mais se destacaram foram algodão, milho, amendoim, banana, batata-inglesa, feijão, mamona e tomate. (ABr)

Portaria com novos valores dos benefícios do INSS é publicada no Diário Oficial

Em: 14/01/2020
P40G-IMG-04eadef5d93a3aa984c.jpg
Foto: Ilustração
Os benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) serão reajustados em 4,48%, com validade a partir de 1º de janeiro deste ano. Com o novo percentual de reajuste, o salário de benefício e o salário de contribuição não poderão ser inferiores a R$ 1.039,00, nem superiores a R$ 6.101,06. A Portaria nº 914, de 13 de janeiro de 2020, da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, que determina o novo percentual de reajuste, está publicada na edição desta terça-feira (14) do Diário Oficial da União. Com o novo percentual, não terão valores inferiores a R$ 1.039,00 os benefícios de prestação continuada pagos pelo INSS correspondentes a aposentadorias, auxílio-doença, auxílio-reclusão e pensão por morte; de aposentadorias dos aeronautas, concedidas com base na Lei nº 3.501, de 21 de dezembro de 1958; e de pensão especial paga às vítimas da síndrome da talidomida. (ABr)

Mercado financeiro reduz estimativa de inflação este ano para 3,58%

Em: 13/01/2020
P40G-IMG-44b6fa9912d4b06f48b.jpg
Foto: Ilustração
As instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) reduziram a estimativa para a inflação este ano. A projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA – a inflação oficial do país) caiu de 3,60% para 3,58%. A informação consta no boletim Focus, pesquisa semanal do Banco Central (BC) que traz as projeções de instituições para os principais indicadores econômicos. Para 2021, a estimativa de inflação se mantém em 3,75%. A previsão para os anos seguintes também não teve alterações: 3,50% em 2022 e 2023. A projeção para 2020 está abaixo do centro da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. A meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 4% em 2020, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. (ABr)

Bolsonaro volta a defender venda direta de etanol, pelas usinas, aos postos

Em: 10/01/2020
P40G-IMG-112f00b34a3991102cc.jpg
Foto: Ilustração
O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a venda direta de etanol, pelas usinas, aos postos de combustível, durante sua live (transmissão) semanal no Facebook, nessa quinta-feira (9). Segundo ele, isso poderia reduzir em cerca de 20 centavos o valor do litro do combustível. Atualmente, a venda direta é proibida por resolução da ANP, agência reguladora  de petróleo, que dá às distribuidoras de combustíveis a exclusividade nessa venda, criando um dos cartórios mais vergonhosos da História. Atuando como atravessadores, as distribuidoras tornam o combustível  mais caro. Mais cedo, o jornalista Cláudio Humberto, colunista do Diário do Poder, lembrou que essa posição do presidente, reiterada em várias oportunidades, tem sido ignorada pelo ministro Paulo Guedes (Economia), em razão do poderoso lobby dos distribuidores/atravessadores de combustíveis. O produtor de etanol se dedica à única atividade econômica no Brasil que não tem o direito de submeter seu negócio à livre-concorrência, conforme prescreve a Constituição. (Com informações do Diário do Poder)
Facebook