Picos(PI), 22 de Março de 2019
POLITICA EM PAUTA

Lula é condenado a 12 anos e 11 meses de prisão no caso do sítio de Atibaia

Em: 06/02/2019
P40G-IMG-346eaef273d30144a1f.jpg
Foto: Divulgação
A juíza Gabriela Hardt, da 13ª Vara Federal de Curitiba, condenou o ex-presidente Lula a 12 anos e 11 meses de prisão pelos crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, e lavagem de dinheiro no caso do sítio de Atibaia. Como há concurso de crimes, o total das penas não são somadas integralmente. De acordo com a decisão, Lula foi condenado pelo cometimento de cinco crimes: 5 anos e 4 meses pelo crime de corrupção ativa “pelo recebimento de propinas em prol do Partido dos Trabalhadores pagas pela Odebrecht”; 3 anos e 3 meses pelo crime de lavagem de dinheiro envolvendo “reforma feita pela Odebrecht no sítio”; 3 anos e 3 meses pelo crime de lavagem de dinheiro envolvendo “reforma feita pela OAS no sítio”; 2 anos e 4 meses pelo crime de corrupção passiva envolvendo “recebimento de R$ 700 mil em vantagens indevidas da Odebrecht”; 2 anos e 4 meses elo crime de corrupção passiva envolvendo “recebimento de R$ 170 mil em vantagens indevidas da OAS”. Preso desde abril, o petista foi condenado por participar de esquema de propina de R$ 155 milhões das empreiteiras OAS e Odebrecht. No caso de Lula, o pagamento de R$ 1,02 milhão envolvendo reformas e decoração do sítio no interior paulista. Além das empreiteiras, o grupo Schahin, do amigo de Lula José Carlos Bumlai teria “investido” R$ 150 mil na propriedade. Segundo a denúncia, a contrapartida de Lula seria a manutenção dos dirigentes da Petrobras Renato Duque, Nestor Cerveró, Paulo Roberto Costa, Jorge Zelada e Pedro Barusco nos cargos para dar prosseguimento ao esquema de corrupção instalado na estatal do petróleo. (Com informações do Diário do Poder)

Bolsonaro diz que está em “plena evolução” e “feliz”

Em: 05/02/2019
P40G-IMG-1dba5c843043cb5f79c.jpg
Foto: Divulgação
O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (5) que está em “plena evolução” e “feliz” em compartilhar este sentimento com todos. Em mensagem, postada na sua conta no Twitter, o presidente desejou um “excelente” dia para todos. Nesta terça-feira, ele completa 11 dias de internação após a cirurgia para reconstrução do trânsito intestinal. “Há um gigantesco diferencial entre informar com imparcialidade e fazer militância maldosa. Meu estado de saúde neste momento encontra-se em plena evolução e estou feliz em compartilhar este sentimento com todos! Um dia de cada vez! Uma excelente terça-feira a todos”, disse. O porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, informou que Bolsonaro foi submetido a tratamento com antibióticos após apresentar elevação da temperatura - 37,3 °C - e alteração de alguns exames laboratoriais, o que pode indicar processo infeccioso. Prevista para esta semana, a alta médica foi adiada em sete dias. Exames de imagem mostraram uma "coleção líquida" ao lado do intestino na região da antiga colostomia, segundo o último boletim médico. O presidente está internado em unidade de cuidados semi-intensivos. Ele permanece em jejum oral, com sonda nasogástrica e nutrição parenteral (endovenosa) exclusiva. (ABr)

Câmara: Comissões mais importantes serão do governo

Em: 04/02/2019
P40G-IMG-239f8fb3313d7458d6d.jpg
Foto: Marcelo Camargo/ABr
Mais que maioria no plenário, o blocão do governo Bolsonaro garantiu as nove primeiras escolhas para as presidências das comissões permanentes na Câmara dos Deputados, as mais importantes. O comando da Comissão de Constituição e Justiça faz “andar” ou “travar” projetos como a reforma da Previdência. Governistas terão também comissões que cuidam de orçamento, economia, infraestrutura etc. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder. Outras comissões, como Educação e Direitos Humanos, serão – como define o ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) – “despetizadas”. Com 301 deputados de 11 partidos, o blocão terá direito, além das nove primeiras escolhas, a outras cinco comissões. Liderado pelo PDT, o segundo bloco mais numeroso (105 deputados) terá direito a cinco comissões, mas a primeira escolha é só a décima. O PT, que cantou de galo durante mais de uma década, agora terá cinco comissões, mas ficou atrás de PDT e PCdoB nas escolhas.

Apenas MDB e DEM ocuparam Presidência do Senado desde a redemocratização

Em: 02/02/2019
P40G-IMG-1d3d126ce3490db4114.jpg
Foto: Divulgação
A eleição do senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) para a Presidência do Senado Federal neste sábado (2) marca o retorno do seu partido ao comando da Casa depois de 18 anos. Dos 34 anos desde a redemocratização do Brasil, em 1985, em 30 deles o MDB esteve no comando do Senado. O único outro partido a ocupar a Presidência foi justamente o DEM, que à época tinha o nome de PFL. Das 20 eleições para a Presidência do Senado desde a redemocratização, o MDB ganhou 17 delas, sendo 15 regulares e 2 especiais. Essa estabilidade é singular quando analisada a alternância partidária nos principais cargos políticos no mesmo período: seis partidos diferentes comandaram a Câmara dos Deputados e cinco conquistaram a Presidência da República. O que ajudou o MDB a assegurar o comando da Casa por tanto tempo foi o fato de ter a maior bancada dentro do Senado. Foram 18 eleições da Mesa Diretora desde 1985, e o partido chegou com a maior representação em 16 delas. A bancada do MDB é a maior do Senado em 2019, com 13 parlamentares. Dessa forma, a eleição de Alcolumbre, membro de uma bancada de seis senadores do DEM, representa a primeira vez, no período democrático, em que o candidato eleito para comandar o Senado não tinha o endosso da maior bancada da Casa. (com informações da Agência Senado)

Confiança empresarial atinge maior nível desde janeiro de 2014

Em: 31/01/2019
P40G-IMG-3b665982bbcf401477f.jpg
Foto: Ilustração
O Índice de Confiança Empresarial, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), subiu 1,9 ponto de dezembro de 2018 para janeiro deste ano e chegou a 98 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos. Com essa, que foi a quarta alta consecutiva do indicador, o índice atingiu o maior nível desde janeiro de 2014 (98,5 pontos). A alta foi puxada pelo Índice de Expectativas, que mede a confiança dos empresários nos próximos meses e que avançou pela sétima vez consecutiva, em 1,7 ponto, para 104,5 pontos, o maior nível desde dezembro de 2012 (104,9 pontos). O Índice de Situação Atual, que mede a confiança dos empresários no momento presente, no entanto, caiu 0,1 ponto, para 90,9 pontos, após dois meses em alta. Em janeiro, houve alta de 65% da confiança dos 49 segmentos que integram o índice. No mês passado, a disseminação de alta havia alcançado 61% dos segmentos. De acordo com a FGV, foram percebidas altas na confiança dos empresários da indústria (2,6 pontos) e de serviços (3,6 pontos). O setor da construção civil manteve o mesmo nível de confiança de dezembro. Já a confiança do comércio caiu 0,2 ponto. Para o pesquisador da FGV Aloísio Campelo Jr., parte do otimismo empresarial está relacionada à perspectiva de mudanças na política econômica e na reforma da Previdência. (ABr)

Mourão conduz reunião ministerial dedicada à tragédia de Brumadinho

Em: 29/01/2019
P40G-IMG-813fbbd643f346c7dd6.jpg
Foto: Agência Brasil
O presidente da República em exercício, Hamilton Mourão, comanda hoje (29) reunião ministerial, no Palácio do Planalto. A reunião terá um tema único: a tragédia causada pelo rompimento da barragem Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, nos arredores de Belo Horizonte. A reunião ocorre no quarto dia de buscas por vítimas . Pelo último balanço, foram confirmadas 65 mortos, 279 pessoas desaparecidas e 135 desabrigados. Ontem (28), o Gabinete de Crise da Presidência se reuniu em duas etapas – pela manhã e à tarde. Ao final, o governo federal anunciou que será publicada hoje (29) recomendação aos órgãos reguladores para promover fiscalizações, nos estados, observando todas as barragens, que têm ameaças à vida humana. A medida inclui também a exigência das empresas para imediata atualização dos seus planos de segurança de barragens. Deverá ser criado um grupo de trabalho para atualizar a lei que etabeleceu a política nacional de segurança de barragens. Mourão tem uma agenda intensa hoje, incluindo sessão solene em comemoração aos 20 anos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Também tem reuniões com empresários e o embaixador Mário Vilalva, presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex/Brasil), além do deputado eleito Luiz Philippe Orléans e Bragança (PSL-SP) e do presidente da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, Rubens Hannun. (ABr)

Bolsonaro passa por cirurgia na manhã de hoje em São Paulo

Em: 28/01/2019
P40G-IMG-f79426104923ce4118a.jpg
Foto: divulgação
A cirurgia de retirada da bolsa de colostomia e de reconstrução do trânsito intestinal do presidente Jair Bolsonaro começou às 6h30 de hoje (28). A operação é feita no centro cirúrgico do Hospital Israelita Abert Einstein, na capital paulista, onde o presidente deu entrada no sábado (26). Há quatro meses, desde o ataque a facadas em Juiz de Fora, Minas Gerais, Bolsonaro utiliza a bolsa em seu corpo. No ano passado, ele passou por outras duas cirurgias de emergência. Passadas 48 horas da cirurgia, Bolsonaro voltará ao trabalho, no hospital, onde deve ficar 10 dias em recuperação. O hospital organizou um espaço para o presidente despachar. A equipe responsável pelo procedimento é o cirurgião Antônio Luiz Macedo, o cardiologista Leandro Echenique e o superintendente Miguel Cendoroglo. (ABr)

Bolsa de valores bate recorde pela segunda vez na semana

Em: 24/01/2019
P40G-IMG-9e36a394859f1e2f9ec.jpg
Foto: Ilustração
Pela segunda vez na semana, o Ibovespa, principal índice de desempenho das ações negociadas na B3, antiga BM&F Bovespa, bateu recorde. Hoje (24), o indicador chegou a 97.677 pontos, uma elevação de 1,16% sobre o fechamento de ontem, quando havia sido registrado o recorde anterior, de 96.558 pontos. Entre as ações que compõem o Ibovespa, as que mais valorizaram no pregão de hoje foram Viavarejo (6,4%), Kroton (5,54%), e EcoRodovias (5,28%). As que mais perderam valor foram Log Com (-2,08%), Magazine Luiza (-1,25%), e Fleury (-0,95%). Os papéis mais negociados foram os da Petrobras, que fecharam em alta de 0,43%, ItauUnibanco (-0,13%), e Vale (+0,9%). O dólar comercial fechou o dia em alta de 0,22%, cotado a R$ 3,77. Já o Euro registrou queda de 0,63%, custando R$ 4,26. (ABr)
Facebook