Picos(PI), 29 de Outubro de 2020

Matéria / Economia

Desemprego atinge mais de 14 milhões e é recorde na pandemia

 Para a pavimentação asfáltica estão sendo investidos R$ 12 milhões

16/10/2020 - Redação

Imprimir matéria
P40G-IMG-8be045f9c8ef977692.jpg (Foto: Ricardo Moraes/Reuters)
P40G-IMG-8be045f9c8ef977692.jpg (Foto: Ricardo Moraes/Reuters)

O desemprego diante da pandemia causada pelo novo coronavírus bateu recorde na penúltima semana de setembro, atingindo mais de 14 milhões de brasileiros. É o que apontam os dados divulgados nesta sexta-feira (16) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com o levantamento, entre maio e setembro, mais de 4,1 milhões de brasileiros entraram para a fila do desemprego, o que corresponde a uma alta de 43% do número de desempregados no país em cinco meses.

Com isso, a taxa de desemprego passou de 10,5% para 14,4%, a maior de todo o período pesquisado.

A pesquisa mostrou também que:

-Entre as regiões, o Nordeste apresentou a maior alta no número de desempregados, de 69%.
-O Sudeste, região mais populosa, concentra cerca de 45% dos desempregados no país.
-A população ocupada ficou estável na maior parte do período pesquisado.
-O nível de ocupação também ficou estável ao longo da pandemia.
-A flexibilização do isolamento social foi responsável por pressionar o mercado de trabalho.
-A informalidade teve queda no país, indicando estagnação do mercado de trabalho.
-O número de trabalhadores afastados por causa do isolamento social caiu em 83,9% em 5 meses.

 

Fonte: Globo.com

Facebook