Picos(PI), 17 de Novembro de 2018

Matéria / Cidades

Piauí tem o menor número de municípios com plano integrado de controle de resíduos sólidos

Apenas 39, dos 224 municípios elaboraram o plano

06/11/2018 - Jesika Mayara

Imprimir matéria
P40G-IMG-449e4dfe4ca09ffb74.jpg (Foto: Maria Moura)
P40G-IMG-449e4dfe4ca09ffb74.jpg (Foto: Maria Moura)

Apenas 39, dos 224 municípios do Piauí elaboraram o plano integrado de controle de resíduos sólidos para ser entregue ao Ministério Público do Estado. Todas as cidades deveriam ter acabado com os lixões até 2014, mas 54,8% dos municípios brasileiros fizeram esse planejamento para se adequar ao plano nacional criado em 2010.

Em Floriano, o aterro sanitário fica em um terreno aberto e sem controle fiscal. O chorume, líquido poluente que sai da decomposição de lixo orgânico, se acumula em alguns pontos, prejudicando a saúde dos animais e solos. A cidade não tem plano integrado de resíduos sólidos.

O secretário de governo do Floriano, James Rodrigues, informou que o município tem o plano de resíduos sólidos desde 2017 e apenas não concluiu o plano municipal de saneamento básico, que contempla esgotamento, drenagem pluvial, proteção ambiental, abastecimento de água e manejo de resíduos sólidos. O projeto de financiamento da elaboração deste plano tramita na Caixa Econômica Federal e a instalação de novo aterro sanitário está em fase de planejamento.

"O movimento municipalista nacional reivindica junto ao Congresso Nacional o adiamento deste prazo, para que os municípios de fato encontrem as melhores soluções. Além do plano, precisamos executá-lo, colocar em prática e os municípios precisam de tempo e recursos financeiros, porque isso demanda investimento", declarou o Gil Carlos, presidente da APPM.

A mestra em saúde pública Ana Carolina Chaves explicou que o plano integrado ajuda justamente os municípios a conseguir os recursos para investir no tratamento e na destinação dos resíduos.

"Este documento estaria vinculado como condição para os municípios conseguissem captar recursos, junto aos ministérios, para garantir serviços como limpeza pública e de gestão dos seus resíduos. A gente vai ter nesses planos dados sobre a produção de resíduos, as metas, ferramentas utilizadas e estratégias de gerenciamento", explicou.

Teresina é um dos 39 municípios piauienses que tem o plano integrado de resíduos sólidos. As ações começaram a ser realizadas em 2016 e têm metas para os próximos anos.

"Nós estamos procurando parcerias público-privada para ampliar o leque de ações, aqui dentro do município. Como ampliar a questão da coleta para a zona rural e pontos de coleta seletiva", disse a assessora de coordenação da Semplan, Delna Brito.

Um dos principais pontos do plano é a melhoria na destinação final do lixo da capital. A área onde está sendo finalizado o aterro sanitário do município, onde será feita a drenagem de chorume e de gases, além de impermeabilização do solo. Atualmente, o aterro de Teresina é considerado controlado.

"Estamos finalizando o projeto e agora em dezembro começa a ser construída a primeira célula do aterro sanitário para cumprir a determinação do nosso plano de que em 2019. Teresina operar com o sistema de aterro sanitário", disse o secretário-executivo da Semduh, Vicente Moreira.

 

Fonte: G1

Facebook